quarta-feira, 25 de abril de 2012

uma vez...




De repente a vontade de escrever me toca, mas não tenho palavras, não tenho motivos. Procuro alguma poesia que possa me inspirar, leio de Mário Quintana a Clarice Lispector, Carlos Drummond de Andrade a Cecília Meireles. Mas de uma maneira ou de outra, não havia ali nenhuma palavra que eu quisesse ouvir. O que eu procurava ainda não tinha nome, não tinha precedentes. Estava pensando em algo que pudesse representar o que sinto, o que sou e ainda assim ser bom o suficiente para que alguém pudesse ler, porque toda palavra escrita espera seu momento de ser lida. Meus pensamentos são traduzidos em palavras...
Um dia a gente percebe que nem toda amizade dura para sempre, e que a maioria delas não seguirá esse caminho. Devemos fingir que acreditamos em amigos para sempre para que a situação fique confortável pelo tempo necessário. A verdade é que dói acreditar o contrário enquanto seus supostos amigos estão presentes na sua vida. Então, promessas são feitas, palavras são jogadas ao vento e acreditamos em nossa própria ilusão.
É melhor praticar o desapego, não deixar que os outros te machuquem quando partirem. Ficar de consciência limpa e simplesmente seguir em frente. Nada (ou quase nada) dura para sempre, tudo sempre chega ao fim, mais cedo ou mais tarde. É como se a vida estivesse nos preparando para perdas, como se fossemos apenas uma parte do jogo. Às vezes é mais fácil não entender, nada faz sentido, até que algo especial te faça esquecer de tudo. Melhor um brilho que te cegue os olhos, do que uma ilusão que te faça sofrer.
E assim, a vida segue...

quarta-feira, 11 de abril de 2012

eleven



Algumas datas ficam marcadas na vida da gente para que toda vez que nos depararmos com elas possamos relembrar o passado. Tenho muitas datas marcadas na minha vida, mas algumas sempre são um pouco mais lembradas. Como dizem: a primeira vez a gente nunca esquece. Primeira conversa, primeiro encontro, primeiro beijo... Momentos que acabam marcando números, uma data diante dos meses. Todo mundo tem a sua. Ontem antes de dormir fiquei pensando em o quê escrever, como escrever sobre o dia de hoje, mas logo adormeci e fui levada para o mundo dos sonhos...
Onze, dia 11, a simples menção desse dia já me enche de alegria. A lembrança do porquê minha vida se tornou no que é hoje, a recordação de um dia que mudou todos os próximos, acho que não é difícil entender o motivo de ter se tornado um dia tão marcante. Pensar nesse dia traz uma expectativa, como se o que houve naquele primeiro e mais importante dia 11 fosse renovado todos os meses. Com uma certa nostalgia, me lembro de cada detalhe, cada momento daquele dia. E sorrio em meio às lembranças e do simples significado desse número. Nada mais que um número, muito mais do que um número.
Pode não fazer muito sentido, mas é verdade. Quando chega o dia é como se tudo parecesse mais real olhado pela perspectiva da origem, mais um mês se passou e estamos aqui mais uma vez. A sensação é ótima, e pelo menos para mim, tudo faz sentido dessa maneira. Todo dia 11 é diferente do outro, sempre nos surpreendendo, sempre tão bem recebido. Bom dia 11, boa tarde 11, boa noite 11, meu amor!